Faculdade Católica de Anápolis
Licenciatura em Filosofia

Sobre o curso

O Curso foi concebido a partir de uma concepção de formação humana, pautada na pedagogia das competências, como forma de responder as demandas de uma sociedade em constante transformação e também, foram consideradas as crescentes mudanças na organização do trabalho às quais o curso deverá se ajustar permanentemente para preparar seus egressos. Para fazer frente a essas demandas o Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos adotou a pedagogia das competências e definiu as competências e habilidades requeridas pelos egressos do curso, a partir da tríade: “saberes”, “saber fazer”, “saber ser”.

Os objetivos do curso atendem às exigências da formação de competências intelectuais profissionais especializadas (conhecimentos, habilidades e atitudes), conforme as normas específicas para a educação profissional em nível superior, especialmente, as constantes da Resolução CNE/CP n.º 3/2002, dos Pareceres n.º 436/2001, n.º 29/2002 e n.º 277/2006, n.º 239/2008, todos da Câmara de Educação Superior do Conselho Nacional de Educação, e a Portaria MEC n.º 10/2006, que institui o Catálogo Nacional dos Cursos Superiores de Tecnologia (CNCST).

A estrutura curricular do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos da Faculdade Católica de Anápolis considera o contexto estadual e o contexto da Cidade de Anápolis e Região Circunvizinha no que concerne ao mercado de trabalho e oferta de emprego e renda.

Perfil do egresso

O professor da Educação Básica, formado pelo Curso de Filosofia do Instituto Superior de Educação da Faculdade Católica de Anápolis deverá ser um indivíduo harmonizado nas dimensões pessoal – cidadão-profissional, competente para trabalhar com a docência; que possua tanto a vivência crítica da realidade do ensino básico, como também a experimentação de propostas inovadoras nesta área; que seja mediador entre o conhecimento socialmente significativo e o aluno, um articulador entre a escola, a cultura perene e a sociedade de hoje. Enfim, que se apresente para o serviço como um produtor do conhecimento, um cultivador dos hábitos perenes do Ocidente e um membro participativo da Comunidade Educativa, comprometido com valores morais e estéticos elevados, próprios de uma sólida formação técnica, humana e político-social, voltada para a educação do homem integral.
O professor da Educação Básica, formado pelo Curso de Filosofia do Instituto Superior de Educação da Faculdade Católica de Anápolis deverá ser um indivíduo harmonizado nas dimensões pessoal – cidadão-profissional, competente para trabalhar com a docência; que possua tanto a vivência crítica da realidade do ensino básico, como também a experimentação de propostas inovadoras nesta área; que seja mediador entre o conhecimento socialmente significativo e o aluno, um articulador entre a escola, a cultura perene e a sociedade de hoje. Enfim, que se apresente para o serviço como um produtor do conhecimento, um cultivador dos hábitos perenes do Ocidente e um membro participativo da Comunidade Educativa, comprometido com valores morais e estéticos elevados, próprios de uma sólida formação técnica, humana e político-social, voltada para a educação do homem integral.

Em termos gerais, espera-se que o aluno concluinte possua:

a) Sólida formação de história da filosofia, que capacite para a compreensão e a transmissão dos principais temas, problemas, sistemas filosóficos, assim como para a análise e reflexão crítica da realidade social em que se insere.

b) Como licenciado, a condição para enfrentar com sucesso os desafios e as dificuldades inerentes à tarefa de despertar os jovens para a reflexão filosófica, bem como transmitir aos alunos do Ensino Básico o legado da tradição e o gosto pelo pensamento inovador, crítico e conseqüente.

c) Os fundamentos e as técnicas básicas para a pesquisa acadêmica e para a reflexão inter e trans-disciplinar, aliados a uma atitude de investigação determinada por constante busca das informações em diversas fontes, apresentando uma postura crítica e dialética.

d) A visão transversal da filosofia para contribuir profissionalmente também em outras áreas, no debate interdisciplinar, nas assessorias culturais, produção literária etc.

e) O interesse pelo entendimento e posicionamento em relação ao problema da filosofia da educação e da instituição escolar na atualidade.

f) A admiração pela profissão do magistério e sintonia com as questões da categoria.

g) A capacidade de gestão de sua formação continuada.

Quer saber o valor?

Saiba quanto investir na mensalidade.